Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Robinho "substituirá" Ronaldinho em peça

Robinho "substituirá" Ronaldinho em peça

Guilherme Costa em São Paulo - SP Publicado em 13/06/2010, às 09h00 - Atualizado às 12h00

Lançada em maio deste ano, a nova campanha mundial da Nike, chamada ?Write the future? (?Escreva o futuro?, em tradução livre), conta com uma série de jogadores que estarão na Copa do Mundo. Cannavaro joga pela Itália, Drogba pela Costa do Marfim, Rooney pela Inglaterra, Ribéry pela França e Cristiano Ronaldo por Portugal, por exemplo. Existe apenas uma exceção entre os atletas de futebol: Ronaldinho Gaúcho. No entanto, a companhia americana prepara uma ?correção? nisso e fará uma peça focada no atacante Robinho, convocado para integrar o elenco comandado por Dunga na África do Sul. O comercial com Robinho será uma versão mais curta do original e terá difusão em "mbito mundial. O atacante da seleção brasileira tem contrato com o Manchester City, mas atualmente está emprestado ao Santos. Na versão completa do comercial, Ronaldinho Gaúcho é o representante brasileiro. Ele aparece diante de um marcador, faz uma jogada individual e vê seu ?samba? difundido por todo o planeta (a peça brinca com possíveis repercussões de cada decisão em campo). Além de ter apostado em Ronaldinho para sua campanha mundial, a Nike fez ações com outro jogador esquecido por Dunga: Alexandre Pato. O atacante do Milan foi escolhido pela marca para protagonizar o lançamento da nova camisa da seleção brasileira e viajou à África do Sul a convite da empresa de material esportivo. Pato esteve nesta semana em Soweto, na periferia de Johanesburgo, para inaugurar o novo centro de treinamentos da Nike para a comunidade local. O atacante voltou a frequentar o espaço na manhã deste sábado, quando encontrou o ministro do Esporte, Orlando Silva Júnior, e o chefe da delegação brasileira na Copa, Andres Sanchez. A aposta nos dois jogadores foi feita pela Nike porque ambos são figuras de alcance mundial e têm contrato com a marca. A companhia descarta ter ficado com medo de que suas ações com jogadores que não foram convocados parecessem uma provocação à equipe de Dunga.