Ronaldinho vira sócio de uniforme do Flamengo

Ronaldinho com camisa do Flamengo, em montagem do site do clube

Ronaldinho com camisa do Flamengo, em montagem do site do clube

Nas últimas semanas, Ronaldinho Gaúcho virou, no clichê do futebol, uma novela. Por dias, manteve seu futuro indefinido, enquanto Flamengo, Palmeiras e Grêmio disputaram publicamente o direito de ter o jogador pelas próximas temporadas. Seu empresário e irmão, Roberto de Assis, foi acusado de fazer leilão pelo salário do jogador, o que teria irritado os clubes de São Paulo e Porto Alegre. A agremiação carioca, no entanto, fez a proposta vencedora.

Ronaldinho Gaúcho será sócio do Flamengo no que se refere ao patrocínio de uniforme do clube. Além do salário fixo, que beira a cifra de R$ 1 milhão, o jogador terá uma porcentagem de tudo o que for arrecadado dos principais patrocinadores flamenguistas.

Atualmente, a cota está preenchida por BMG e TIM. Esses acordos não fazem parte da remuneração variável do atleta, mas serviram para balizar a proposta oferecida ao jogador. Hoje, o Banco de Minas Gerais paga R$ 9 milhões anualmente ao clube e a empresa de telefonia celular desembolsa R$ 2,2 milhões anuais.

A porcentagem a ser paga por Ronaldinho não foi revelada pelas partes envolvidas na negociação (a Traffic será responsável pela captação de patrocínios para o atleta e para o acordo dele com o Flamengo). Mas, segundo a Máquina do Esporte apurou, a porcentagem só será paga depois que o mínimo de arrecadação for atingido pelo clube.

A conta é a seguinte: se, na proporção do que o Flamengo recebe hoje de BMG e TIM, os acordos para o peito da camisa e o calção não atingirem essas cifras, Ronaldinho não receberá a remuneração variável. O valor que ultrapassar essa marca, porém, terá uma participação do atleta.

Em 2010, o clube manteve a Batavo como patrocinadora máster, em negociação que envolveu R$ 24 milhões. Antes do fechamento com Ronaldinho Gaúcho, o clube trabalhava para conseguir R$ 25 milhões da futura empresa em 2011, mas se conformava com a possibilidade real de fechar por R$ 21 milhões. A desvalorização se devia ao péssimo ano vivido pelo clube, que perdeu astros como Adriano e Vágner Love, teve o nome envolvido na prisão do goleiro Bruno e lutou para fugir do rebaixamento do Campeonato Brasileiro, torneio que havia conquistado no ano anterior.

A princípio, com a chegada de Ronaldinho Gaúcho o número de R$ 25 milhões não será alterado; o clube já está em fase final das negociações para ter um patrocinador máster. O departamento de marketing flamenguista admite, no entanto, que a chegada do jogador deve valorizar o aporte, mas ainda não tem noção do quanto a contratação do astro brasileiro deverá valorizar a propriedade para um futuro acordo.

Independentemente do caminhar das negociações, é pouco provável que o Flamengo deixe de ganhar menos do que R$ 30 milhões anuais. 

A estratégia do Flamengo tem semelhanças com o contrato firmando entre Corinthians e Ronaldo, no fim de 2008. O Corinthians, no entanto, não abriu mão do seu patrocínio máster, mantendo 100% do valor consigo. Com as outras propriedades do uniforme, 80% do seu valor iam para o badalado atacante. Já em 2010, o grupo Hypermarcas comprou a cota máster e outras propriedades, e Ronaldo passou a receber um valor fixo da empresa.