Sem Mineirão, Cruzeiro vê sócios irem embora

Projeto do novo Mineirão, para 62 mil pessoas - Crédito Redação

Projeto do novo Mineirão, para 62 mil pessoas - Crédito Redação

A Copa do Mundo de 2014 oferecerá ao Cruzeiro a oportunidade de ter um moderno estádio para 62 mil pessoas. No entanto, a reforma do Mineirão trouxe, em curto prazo, uma dor de cabeça para os dirigentes mineiros. A indefinição de um local para jogo fez o clube perder 70% dos seus sócio-torcedores.

O número chega a 12 mil pessoas que resolveram suspender o plano, pelo menos momentaneamente. O prejuízo mensal chega a R$ 800 mil, o que representa menos R$ 10 milhões na conta do clube por ano.

Um dos dramas vividos pelo Cruzeiro foi a indefinição do estádio Independência. O clube contava com o seu uso após o fechamento do Mineirão, mas as obras do local só ficarão prontas em janeiro de 2011. Quando o programa de sócio-torcedor foi lançado, em 2009, o discurso da diretoria é que a Copa de 2014 não interferiria, já que o time jogaria na arena do América, em Belo Horizonte.

No Campeonato Brasileiro, o clube adotou Ipatinga e Uberl"ndia para sediar os jogos do time. Mas a dist"ncia de BH, onde fica o grosso dos sócios, atrapalhou o programa. Após protestos dos torcedores, a direção mudou de ideia e fez de Sete Lagoas a sua casa. A Arena do Jacaré, no entanto, só tem capacidade para 12 mil pessoas.

Agora, o Cruzeiro pensa em promoções e ações de marketing que possam segurar os seus sócios. A ideia é trazer vantagens para o torcedor do time, mesmo que esse não vá mais temporariamente ao estádio para acompanhá-lo. No início deste mês, no entanto, o clube já havia suspendido novas vendas, prevendo a vazão dos seus então sócios.