Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte

Viton 44 salva cariocas em cenário difícil de patrocínios

Empresa dona do Guaraviton vira escape para a falta de aporte máster no futebol

Duda Lopes - São Paulo (SP) Publicado em 05/01/2015, às 07h24 - Atualizado às 09h24

Imagem Viton 44 salva cariocas em cenário difícil de patrocínios

O Rio de Janeiro continua lindo? Três dos quatro grandes clubes do estado começam o ano com patrocínio máster garantido, algo raro no atual cenário do futebol nacional.

Mas por trás dessa boa fase está o investimento de uma única empresa, a Viton 44. A dona da marca Guaraviton tornou-se a tábua de salvação dos grandes cariocas. Em dezembro, a companhia acertou aportes a Fluminense, Flamengo e manteve o apoio ao Botafogo, seu primeiro patrocinado, em 2009.

Se essa negociação já era esperada, os acertos com a dupla Fla-Flu vieram num momento fundamental. No caso do time tricolor, a marca já substituiu a Unimed no mesmo dia do fim do vínculo de 15 anos acabar.

Já com o Flamengo, a Viton 44 ampliou o contrato e cobriu um potencial problema no clube. A Peugeot rompeu o acordo vigente e abriu um espaço em área nobre da camisa flamenguista. Rapidamente, a marca de bebidas assumiu o posto, pagando R$ 20 milhões ao ano.

Por enquanto, a exceção é o Vasco, que tenta a manutenção do vínculo da Caixa em 2015.
O banco estatal, aliás, deixa todos os clubes em estado de alerta neste começo de ano.

Como o governo ainda não sinalizou qual será a situação do banco para 2015, os contratos que já acabaram seguem indefinidos (caso do Corinthians), e novos acordos estão parados (o Cruzeiro tem acerto alinhado).

Dos 20 clubes da Série A, 11 têm o patrocínio máster pendente ou em negociação, mas sem prazo de renovação garantido. Em São Paulo, os quatro clubes grandes não tem contrato assinado para este ano. O Corinthians espera a Caixa, já o Santos deve manter a Huawei, que patrocinou o clube no fim do ano. São Paulo e Palmeiras, por outro lado, já estão há mais de um ano sem patrocínio.

Os únicos clubes mais “tranquilos” se tornaram os do Rio, graças ao seu novo mecenas.