Academias nos EUA têm crescimento de 3,8% e chegam a 66,5 milhões de clientes

As academias de ginástica dos Estados Unidos vivem um momento de recuperação econômica com a queda nos índices de contaminação e mortes pela Covid-19. As redes de ginásios para a prática de esportes atingiram a marca de 66,5 milhões de clientes em 2021, o que representa um crescimento de 3,8% a mais do que nos números de antes da pandemia. Os dados são da International Health Racquet & Sportsclub Association (IHRSA), principal entidade que congrega academias e clubes esportivos do mundo.

No entanto, apesar do aumento no número de inscritos, a assiduidade nas academias caiu bastante. A frequência por ano passou de 109 para 72 idas aos espaços para prática de esportes.

O total de visitas contadas nesses estabelecimentos também sofreu decréscimo em números absolutos, apesar da maior base de clientes: de 6,7 bilhões em 2019 para 4,5 bilhões no ano passado.

“A diminuição na frequência se deve a fechamentos temporários estabelecidos pelo governo devido a medidas sanitárias, trabalho remoto, restrições de capacidade de uso e ofertas on-line”, analisou Liz Clark, presidente e CEO da IHRSA.

A recuperação é um indicador da força da indústria de fitness, que sobreviveu à Covid-19, apesar do fechamento dos espaços, das restrições sanitárias e do aumento de ofertas digitais.

Clientes x frequência

O número total de clientes nas academias de ginástica aumentou 2,1% durante a pandemia, enquanto o número total de visitas caiu quase um terço nos últimos dois anos. Os dados também indicam que um em cada cinco americanos pagava mensalidade em alguma academia em 2021.

“A recuperação no atendimento aos centros é um indicador da força da indústria americana de fitness, que sobreviveu à Covid-19, apesar do fechamento dos espaços, das severas restrições impostas pelo governo e do aumento de ofertas digitais”, afirmou Liz.

“Os centros físicos sobreviverem à oferta digital é um indicativo da importância de praticar esportes na comunidade, bem como o valor da instrução presencial por treinadores”, acrescentou a executiva.