Adidas terá, pela primeira vez na história, naming rights de uma arena esportiva

Ginásio de Porte de la Chapelle, erguido para Jogos de Paris 2024, terá nome da marca de material esportivo

A Adidas será a dona dos naming ritghts do ginásio de Porte de la Chapelle, em Paris, que será erguida para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2024.

“Esta é a primeira vez que um local recebe o nome da Adidas no mundo. Dar o nosso nome ao ginásio é uma oportunidade única para nós”, afirma Mathieu Sidokpohou, diretor administrativo da Adidas para o sul da Europa.

A empresa de material esportivo assinou o acordo, um contrato de cinco anos, renovável por mais sete, com a Sociedade Anônima de Operação do Palácio Omnisports de Paris-Bercy (SAE POPB, na sigla em francês), empresa que também gerencia a Accor Arena e o Bataclan, ambos em Paris.

“Estamos orgulhosos e honrados por termos assinado um contrato de nomeação único no mercado francês com a Adidas”, comentou Nicolas Dupeux, diretor administrativo da SAE POPB.

Alice Milliat e legado

Os valores do acordo girariam em torno de € 2,8 milhões por ano. Grupos feministas haviam pedido que o local levasse o nome de Alice Milliat, francesa que foi pioneira na luta pela participação da mulher no esporte na França e na Europa. A opção por ceder o nome a uma empresa provocou bastante debate político em Paris.

“A marca quer criar experiências exclusivas para seus espectadores, mas acima de tudo assumir um compromisso concreto com os moradores locais, em particular promovendo o acesso ao esporte para mulheres jovens, como parte do legado de valores defendidos por Alice Milliat”, contemporizou Sidokpohou.

O caminho para a confirmação de que o ginásio será chamado de Adidas Arena foi pavimentado no início deste mês, quando a Câmara Municipal de Paris aprovou o acordo com 33 votos a favor, 17 contra e 26 abstenções.

Sede olímpica e paralímpica

O local, anteriormente conhecido como Arena 2 de Porte de la Chapelle, será um dos dois únicos novos locais permanentes erguidos para os Jogos de Paris 2024. O estádio será sede de badminton e ginástica rítmica durante as Olimpíadas, e badminton e levantamento de peso durante os Jogos Paralímpicos.

“As equipes da Adidas e do ginásio são movidas pela mesma paixão criativa e busca pela excelência. Partilhamos uma visão comum do esporte: dinâmico, aberto a todos e inclusivo”, destaca Dupeux.

“Estamos felizes por termos feito parceria para oferecer este novo destino, um verdadeiro coração pulsante da Grande Paris, comprometido com um programa ambiental de alto desempenho e despertando emoções coletivas através do esporte, cultura e entretenimento”, acrescentou o executivo.

“Esta é a primeira vez que um local recebe o nome da Adidas no mundo. Dar o nosso nome ao ginásio é uma oportunidade única para nós”

Mathieu Sidokpohou, diretor administrativo da Adidas para o sul da Europa

Com capacidade para até 9.000 pessoas, a Adidas Arena será sede de shows e eventos esportivos ao longo do ano e irá abrigar a equipe de basquete de Paris, após os Jogos Olímpicos.

“Vamos oferecer um local ideal em termos de equipamentos, treinamento e instalações de apoio para permitir que os atletas pratiquem seu esporte nas melhores condições possíveis”, conta Sidokpohou.

O complexo esportivo também terá espaço de convivência de mais de 3.000 m² que abrigará eventos de hospitalidade, esportes e entretenimento, além de lojas abertas a todo o público em horário comercial.

“Para atender aos mais altos padrões de um local olímpico e paralímpico e a necessidade de revitalizar o nordeste de Paris, a Adidas Arena se beneficiará de uma infraestrutura, mentalidade e serviços determinados para o futuro”, acredita Dupeux.

Construção e desenvolvimento

Em maio de 2020, o grupo industrial francês Bouygues conseguiu seu segundo grande contrato no espaço de um mês para os Jogos de Paris 2024, após o anúncio de que lideraria um consórcio para a construção da Adidas Arena.

Bouygues Bâtiment Île-de-France está liderando o projeto, construção e operação técnica do local, ao lado das empresas de arquitetura SCAU e NP2F.

A empreitada foi concedida pela Câmara Municipal de Paris, que afirmou que o projeto da Bouygues havia sido selecionado ficou em primeiro lugar pelas suas qualidades arquitetônicas, paisagísticas, funcionais e ambientais, bem como pelos seus compromissos em termos de eficiência energética e qualidade do seu programa de manutenção, com o ginásio sendo projetado para ter uma vida operacional inicial de mais de dez anos.