Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Rúgbi

Com foco na evolução e no alto rendimento, CBRu redefine cargo de diretor técnico

Principal atribuição será definir as diretrizes estratégicas dos programas das seleções nacionais

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 12/05/2022, às 07h44

Neozelandês naturalizado brasileiro, Josh Reeves, de 31 anos, é o novo diretor técnico da CBRu - Divulgação / CBRu
Neozelandês naturalizado brasileiro, Josh Reeves, de 31 anos, é o novo diretor técnico da CBRu - Divulgação / CBRu

A Confederação Brasileira de Rúgbi (CBRu) anunciou, nesta quarta-feira (11), um novo diretor técnico para focar exclusivamente na gestão do desenvolvimento contínuo do programa de alto rendimento do rúgbi nacional. O escolhido foi o ex-atleta Joshua “Josh” Brian Reeves, neozelandês naturalizado brasileiro de 31 anos, que atuou por seis anos na seleção brasileira, participou de diversas competições internacionais e conquistou títulos como o de campeão sul-americano de XV em 2018.

De acordo com a CBRu, o objetivo da mudança é ter um profissional exclusivo para estabelecer as diretrizes técnicas para o desenvolvimento e a evolução do rúgbi nacional. Josh Reeves definirá e acompanhará a execução das estratégias desde a base até as seleções principais masculina e feminina nas categorias adulta e juvenil e nas modalidades XV e 7s. Além disso, também intensificará a integração dos clubes e das seleções regionais ao sistema de identificação e formação de talentos da confederação.

“Minha atuação exclusiva como diretor técnico buscará construir um ciclo virtuoso e fortalecer toda a cadeia do rúgbi brasileiro. Os atuais técnicos das seleções masculina e feminina poderão agora concentrar mais esforços na preparação de suas seleções de XV e Sevens, e seguir com a estratégia de renovação constante dos elencos”, disse o novo diretor técnico.

“O acompanhamento técnico mais centrado possibilitará que o sistema de alto rendimento se aproxime mais das seleções regionais e dos clubes no Brasil, assim como de jogadores e profissionais que estão atuando em ligas do exterior”, destacou João Nogueira, diretor de alto rendimento da CBRu.

Dentre suas atribuições, o diretor técnico desenvolverá um plano de competição para inserir as seleções nacionais em torneios apropriados de modo que os atletas tenham jogos em qualidade e quantidade suficientes para evoluírem ao longo da temporada. A atuação do novo diretor técnico também incluirá o gerenciamento de parcerias e relações internacionais da área técnica, além de promover capacitação permanente dos treinadores e a estrutura necessária para melhoria de performance e alcance das metas de alto rendimento.

Por fim, o diretor técnico contribuirá também no direcionamento dos treinos técnicos e físicos, na gestão das áreas de apoio, no acompanhamento das metas de desempenho individual de cada esportista e no monitoramento de atletas atuantes dentro e fora do país.

“Nossos treinadores e staffs técnicos têm nível internacional. A ideia é usar todas as ferramentas viáveis para maximizar nosso ambiente de alto desempenho. Vamos implementar ajustes em busca de obter a tão almejada qualificação de Tupis [seleção masculina] e Yaras [seleção feminina] para a Copa do Mundo de XV. Manter, é claro, o feminino na elite mundial de Sevens, melhorar sua posição no circuito da World Rugby e garantir vaga em mais uma edição dos Jogos Olímpicos. Estamos convictos de que o masculino também tem potencial para melhorar seus resultados no Sevens”, resumiu Josh Reeves.