Basquete capixaba deve ser aniquilado do NBB em 2011

Vila Velha e Vitória enfrentam dificuldades para conseguir patrocínios - Crédito Gilson Borba

Vila Velha e Vitória enfrentam dificuldades para conseguir patrocínios - Crédito Gilson Borba

O Novo Basquete Brasil (NBB) irá chegar à quarta edição com a participação de novas equipes, como Tijuca e Liga Sorocabana, mas deve perder alcance entre os Estados brasileiros. Sem condições financeiras, Vila Velha/Garoto e Vitória/Cecre ainda não conseguiram patrocinadores para a próxima temporada, que terá início em novembro.

A Liga Nacional de Basquete (LNB) impôs 15 de setembro como data final para que todas as franquias, incluindo os capixabas, apresentem a estrutura econômica necessária para disputar o Nacional. Sem negociações avançadas, ambos os clubes ainda enfrentam outra dificuldade inesperada: escassez de dias úteis nesta semana.

O presidente do Cetaf, Luiz Felipe Azevedo, está apressando as tratativas para conseguir patrocinadores em tempo, mas viu empresas de toda espécie pararem de trabalhar nesta semana. Na última quarta-feira (7), o país parou em função do Dia da Independência. No dia seguinte, aniversário da capital Vitória, e aí todos emendaram a folga.

"Não sabemos se teremos um time do tamanho que a gente deseja, mas tentaremos colaborar. Esperamos que seja suficiente para dar continuidade. Mas a chance de não participar existe", conta o gestor do Cetaf, denominado como Vila Velha, por estar sediado nessa cidade capixaba, em entrevista à Máquina do Esporte.

As duas equipes do Espírito Santo possuem suporte do Estado, que se encarrega de pagar despesas como passagens e hospedagem, mas nem assim há segurança de que a folha de pagamento dos atletas seria cumprida. O Vila Velha também tem o patrocínio da Garoto, presente há três anos no clube, porém insuficiente.

A situação do Vitória aparenta ser ainda pior. A assessoria de imprensa da agremiação informou à reportagem que desconhece qualquer negociação de patrocínio, enquanto Alarico Duarte, responsável por captar esses patrocínios, não pôde atender às ligações.

Caso nenhuma das equipes consiga assegurar a permanência no NBB, ao assinar contrato até a quarta-feira da próxima semana, os respectivos dirigentes ainda terão dois anos para tentar retornar ao campeonato, segundo estipula o estatuto da LNB. O basquete capixaba pode sair do radar nacional em menos de uma semana.

Leia mais:

Presidente do Cetaf vê fatores culturais prejudicarem basquete no ES