Brasília eleva arrecadação com bilheterias no NBB

Universidade tem atrelado basquete a campanhas; e receitas crescem

Universidade tem atrelado basquete a campanhas; e receitas crescem

As duas últimas rodadas do Novo Basquete Brasil (NBB) tiveram crescimento considerável na arrecadação com bilheterias. Enquanto a quarta rodada do torneio nacional gerou R$ 5,5 mil aos mandantes, a sétima e a oitava levantaram R$ 11,5 mil e R$ 11 mil, respectivamente. E o aumento se deve a um protagonista: Uniceub/BRB/Brasília.

A equipe do Distrito Federal havia obtido fraco desempenho na venda de ingressos nas terceira e quarta rodadas, em 15 e 13 de novembro, quando arrecadou R$ 167 e R$ 129, respectivamente. Em 10 e 12 de dezembro, entretanto, as bilheterias geraram receita de R$ 7 mil e R$ 5 mil, picos em arrecadação em ambas as etapas.

O crescimento coincide com um plano lançado por Arthur Chrispino, diretor de marketing da Uniceub, responsável pela área na equipe. "Antes do período de festas, fizemos campanha de prevenção à Aids envolvendo o time de basquete, e isso nos aproximou do público jovem", explica o dirigente à Máquina do Esporte.

O objetivo da gestão do clube é atrelar cada vez mais a marca do Brasília à da universidade, tornando o basquete em ferramenta de comunicação. "Nós fizemos comercial para divulgar o vestibular com o time de basquete, fizemos o primeiro comercial 3D também com basquete, e o resultado é positivo", conclui Chrispino.