Máquina do Esporte
Facebook Máquina do EsporteTwitter Máquina do EsporteYoutube Máquina do EsporteLinkedin Máquina do Esporte
Outros / Tecnologia

Tênis de mesa fecha contrato de licenciamento de produtos com DriveTT

Fabricados no Brasil, produtos prometem facilitar treinos e diminuir custos com importação

Redação - São Paulo (SP) Publicado em 15/02/2022, às 08h05

Acordo é visto como mais uma medida da CBTM para valorizar a própria marca e alavancar ainda mais a modalidade no país - Divulgação / CBTM
Acordo é visto como mais uma medida da CBTM para valorizar a própria marca e alavancar ainda mais a modalidade no país - Divulgação / CBTM

A Confederação Brasileira de Tênis de Mesa anunciou, nesta segunda-feira (14), um acordo de licenciamento de produtos da modalidade com a DriveTT, empresa do empresário e treinador Stuart Hoffmann. O contrato foi assinado por um ano e é visto como mais uma medida da entidade para valorizar a própria marca e alavancar ainda mais o tênis de mesa no país.

Segundo a confederação, o acordo ainda tem como objetivo dar publicidade a produtos considerados inovadores da DriveTT, com o selo da CBTM, sendo a entidade responsável por fazer a divulgação do acordo e dos objetos que serão vendidos.

Pelo contrato, serão comercializados produtos desde capas de mesa e separadores até criações e projetos exclusivos e tecnológicos da DriveTT, como o spin machine (que auxilia o treinamento de efeitos e de movimentos como a “chiquita”), o returnboard (que ajuda nos treinamentos individuais, emulando a devolução do oponente) e a trave de lançamento (pensada para treinos intensos, em que as bolinhas são recolhidas, poupando o tempo dos técnicos e atletas que não precisam recolhê-las).

“Por serem produtos inovadores e que os treinadores necessitam nos treinos vai ajudar bastante em um momento que o tênis de mesa nacional está em amplo crescimento, com a criação de novos clubes e associações”, destacou Stuart Hoffmann, CEO da DriveTT.

“Além disso, vai facilitar o acesso, pois muitos desses produtos têm similares, mas que são importados, o que complica para obter pela alta do dólar e a dificuldade de importação. Agora, com eles sendo produzidos no Brasil, com tecnologia brasileira, vai facilitar muito a acessibilidade para os treinadores e atletas. Esses produtos vêm justamente para suprir essa necessidade que existe no mercado nacional”, finalizou o executivo.