Portugal e Espanha finalizam detalhes para candidatura a sedes da Copa do Mundo de 2030

Proposta dos países ibéricos deve unificar votação dos europeus para sede do Mundial

Os presidentes das federações portuguesa e espanhola de futebol se reuniram nesta semana com funcionários de seus governos para finalizar detalhes de uma possível candidatura conjunta para que os países sejam sedes da Copa do Mundo de 2030. Segundo os dirigentes, a iniciativa está entrando na fase final para o lançamento oficial.

O Marrocos, que já lançou várias candidaturas solo ao Mundial da Fifa, chegou a participar de fases iniciais do projeto, mas acabou deixando a candidatura conjunta.

Portugal e Espanha não são sedes de torneios importantes há algum tempo. Os portugueses abrigaram a Euro de 2004. Já a Espanha tem no currículo a Copa do Mundo de 1982.

Uma candidatura dos países ibéricos deve ter o apoio de outras nações vinculadas à Uefa, principalmente depois que Grã-Bretanha e Irlanda desistiram de uma iniciativa conjunta para 2030. Os países britânicos devem focar na licitação para sede da Euro de 2028.

O presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, deseja, há muito tempo, ter apenas um candidato da Europa para não dividir a votação do continente.

A China pode ser outra candidata a 2030, mas ainda não oficializou proposta. No entanto, a iniciativa que deve ser a maior concorrente dos europeus é a do Uruguai, que comemoraria o 100º aniversário da primeira edição da Copa do Mundo, realizada em 1930, em solo uruguaio.

Os uruguaios devem apresentar uma candidatura conjunta com Argentina, Chile e Paraguai. A Bolívia chegou a manifestar interesse em participar desse grupo. Já o Equador chegou a propor uma candidatura conjunta com Peru e Colômbia.